Após vaquinha feita por bolsonaristas, Daniel Silveira paga fiança, diz TV

Foto: Reprodução/Instagram

O deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ) pagou a fiança no valor de R$ 100 mil na manhã de hoje. O parlamentar foi preso no fim da tarde de ontem por ordem do STF (Supremo Tribunal Federal), por descumprir as regras de uso da tornozeleira eletrônica que usava durante a prisão domiciliar.

O pagamento aconteceu após um grupo de bolsonaristas que apoiam o deputado realizar uma vaquinha na internet para conseguir o valor integral.

De acordo com informações apuradas com os advogados de defesa de Silveira pela GloboNews, a defesa tentava diminuir o valor em 50%. O valor, no entanto, foi depositado na íntegra, após o escritório que representa o parlamentar não ter sucesso na redução da fiança.

Silveira teria repetido a mesma violação por 36 vezes, de acordo com a decisão assinada pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF. A prisão do deputado acatou o pedido da PGR (Procuradoria-Geral da República).

O réu Daniel Silveira, entretanto, desrespeitou inúmeras vezes as medidas restritivas — mais de 30 vezes –, demonstrando seu total desprezo pela Justiça Alexandre de Moraes em decisão sobre Daniel Silveira

O UOL entrou em contato com o advogado de Daniel Silveira, Paulo César Rodrigues de Faria. A defesa informou que uma nota será emitida em breve, com mais detalhes sobre o caso. Até a publicação desta matéria, não recebemos mais informações.

Vaquinha para pagar fiança do deputado

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) se reuniram para criar uma campanha de arrecadação de fundos para quitar o valor integral da fiança de Daniel Silveira.

A proposta foi lançada pelo deputado federal e colega de partido Carlos Jordy (PSL-RJ).

É um valor alto, mas que, se todos puderem ajudar com qualquer valor, arrecadaremos a quantia para garantir a liberdade ao amigo que sempre foi porta-voz dos brasileiros que prezam pela Liberdade. A sua liberdade e a da sua família dependem da liberdade de DanielCarlos Jordy

Em 10 de junho, Moraes determinou que o deputado pagasse R$ 100 mil após violar o monitoramento da tornozeleira eletrônica. O parlamentar teve um prazo de 48 horas para desembolsar o valor, que não foi feita.

UOL