Bolsonaro poderá convocar 20 mil médicos brasileiros formados no exterior que estão “em casa” por falta de provas do REVALIDA

O Brasil conta com 20 mil médicos formados no exterior que esperam por exames do Revalida para poderem trabalhar no Brasil. Essa mão de obra pode ser convocada pelo presidente Bolsonaro, em caráter emergencial, para desafogar os médicos que trabalham no combate à Covid-19. Alguns aliados do presidente cogitam a ideia, mas há resistência dos conselhos de medicina no Brasil para que se mantenha a reserva de mercado.

Interlocutores dizem que o maior problema é o corporativismo da classe médica brasileira, que faz pressão para que se dificulte a entrada desses profissionais no mercado do país, visando manterem a dificuldade por médicos e a valorização da categoria.

Hoje, só pessoas ricas ou com estudos caros, proporcionados por cursinhos preparatórios, ingressam nessa profissão. A média de mensalidades em uma universidade particular de um curso de medicina é de R$ 10 mil. Com isto, as famílias menos favorecidas bancam os estudos de seus familiares em universidades do Paraguai, Argentina ou Bolívia. Ou seja, hoje só é médico no Brasil quem tem muito dinheiro ou possui uma capacidade intelectual acima da média.