“Com prorrogação dos trabalhos, CPI confessa que não conseguiu nada”

No quadro Liberdade de Opinião desta quinta-feira (15), Alexandre Garcia avaliou a prorrogação da CPI da Pandemia. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), leu, no plenário da Casa, o requerimento de prorrogação dos trabalhos da comissão por mais 90 dias. A CPI foi instalada no dia 27 de abril e seria encerrada no dia 7 de agosto, mas os trabalhos agora vão seguir até outubro.

“A CPI está confessando que em 90 dias não conseguiu nada e agora precisa de algo para embasar a conclusão, e está difícil. A cada depoimento sério em que aparece um personagem que viveu o assunto as narrativas caem, vão sendo derrubadas. É a CPI em que se torna mais importante a pergunta do que a resposta, porque a pergunta que recebe destaque, uma vez que as respostas, muitas vezes, têm que ficar meio de canto, já que derruba as narrativas, é se torna anti-notícia. Vão botar mais três meses para ver se acham alguma coisa, pode ser que apareça.”