Estudo da Inglaterra também sugere que covid-19 foi criado em laboratório

Cientistas da Universidade de Kent, no Reino Unido, publicaram nesta quarta-feira (24/06) os resultados de uma nova pesquisa  que concluiu ser mais provável que o vírus que causa Covid-19 já estivesse circulando em Wuhan, China, no início de outubro de 2019. Portanto, dois meses antes de o primeiro caso ser identificado na mesma cidade. Em janeiro do ano seguinte, o vírus já havia se espalhado pelo mundo.

A pesquisa, publicada na revista PLOS Pathogens, sugere que o primeiro caso de Covid-19 tenha surgido na China entre o início de outubro e meados de novembro de 2019. A data de origem mais provável para o surgimento seria 17 de novembro daquele ano.

Os cientistas chegaram a essa conclusão usando método do estimativa linear ideal, que analisou o intervalo entre o primeiro caso oficialmente relatado em cinco países e comparou com as datas em que esses casos realmente se originaram.

As descobertas apoiam evidências crescentes de que a pandemia tenha surgido mais cedo do que se suponha, e que tenha crescido mais rapidamente do que o oficialmente afirmado Organização Mundial de Saúde. A análise também identificou o momento em que o vírus chinês provavelmente tenha se espalhado para os primeiros cinco países fora da China, bem como para outros continentes.

Os resultados sugerem que o vírus tenha escapado da China em janeiro de 2020. O primeiro caso estimado teria sido no Japão em 3 de janeiro de 2020, seguido pela Tailândia em 7 de janeiro de 2020. A terceira data de origem mais antiga, fora da China, sugere que o vírus tenha deixado o leste da Ásia em direção à Europa, com um primeiro caso estimado em 12 de janeiro de 2020 na Espanha.

O vírus parece ter continuado a se espalhar para outros países do leste da Ásia, com a quarta data de origem fora da China sendo na Coréia do Sul em 14 de janeiro de 2020, disseram os pesquisadores.

Após a propagação para a Europa, o vírus parece ter se espalhado para a América do Norte com um primeiro caso estimado nos Estados Unidos em 16 de janeiro de 2020, tornando os Estados Unidos o quinto país com a presença do coronavírus. Os pesquisadores observaram que o método adotado poderá ser aplicado para entender melhor a propagação de outras doenças infecciosas no futuro. Informações de Agência Reuters | Business Standard | Summit News.terra Brasil