FOTO – ‘Não vendo balas’: ambulante inova e ganha bolsa para cursar faculdade no Rio

Foto: Divulgação / Douth Paiva

“Como assim um vendedor de balas que não vende bala?” É com essa contradição que Cassiano de Souza Santos, de 27 anos, atrai a atenção de seus clientes quando vende suas mensagens positivas junto com doces em um semáforo. O projeto “Eu não vendo balas” ajudou a aumentar as vendas do rapaz e a conquistar uma bolsa integral na faculdade de administração da Unisuam.

O sonho do jovem era ser empresário e ele viu que em seu trabalho convencional não conseguiria alcançar seus objetivos. Então, largou seu emprego e passou a vender doces na Rua Mariz e Barros, no bairro da Tijuca.

“Decidi ir para a rua e ser meu próprio chefe. Na rua você tem que matar um leão por dia, mas você precisa superar para conquistar seus objetivos”, conta. O vendedor de balas há três anos se viu em uma situação especialmente difícil esse ano: com a pandemia do novo coronavírus e o isolamento social, os poucos motoristas sequer abriam janelas.

Em um momento duro para todos, Luíza de Mendonça abraçou a causa de Cassiano. A carioca é moradora da região onde o jovem vende seus doces e sempre cruzava com ele na sua volta do trabalho. “Eu enxergava nele uma pessoa diferente”, diz ela. A designer e estrategista de marcas se identificou com a trajetória de Cassiano, já que ela mesmo também saiu de um emprego formal para abrir sua própria agência.

“Ele tem aquele sorriso com os olhos, eu só resgatei essa essência e criei um projeto com a cara dele”, diz a carioca. A dupla começou o projeto “Eu não vendo balas” e repaginaram a abordagem de Cassiano. O jovem é um vendedor de doces que não vende doces, mas poesias e mensagens alegres para adoçar o dia das pessoas. Cada pacote de bala acompanha uma frase de incentivo e um sorriso para quem o recebe.

Luíza também fez uma preparação de vendas com o rapaz, acompanhando-o por um dia inteiro no semáforo e dando orientações sobre como poderia fazer diferente. “Olha no olho, faz tal abordagem, foi um treinamento intensivão mesmo”, conta a designer. Eles desenvolveram um uniforme e entraram nas redes sociais, que hoje é gerenciada por ela.

“O importante não é o dinheiro e sim a abordagem. É fazer com que a pessoa saia dali e lembre de você. Eu não vendo mais balas, eu vendo a minha história. Eu vi a necessidade de dar uma mensagem positiva e a pessoa sair feliz ” completa o rapaz.

O empreendedor e autor Alfredo Soares também fez parte da rede de apoio de Cassiano. O projeto fez parte do evento drive-in do lançamento do livro “Bora Varejo” do autor carioca, que se emocionou com a história do rapaz e disse que arranjaria uma faculdade para ele.

Neste mês, Cassiano conseguiu uma bolsa no curso de administração da Unisuam, em Bonsucesso, no Rio. “Nossa vida é uma administração, né? Nossa vida tem que ter sentido”, conta Cassiano.

CNN Brasil