Justiça do Rio de Janeiro mantém prisão de Jairinho e Monique

Juiz Daniel Werneck Cotta argumenta que a manutenção das medidas restritivas ao casal é necessária para garantir a ordem pública

A Justiça do Rio de Janeiro decidiu pela manutenção da prisão de Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho, e Monique Medeiros, acusados de matar o menino Henry Borel, de 4 anos. A decisão, proferida na última sexta-feira, 16, é do juiz Daniel Werneck Cotta, da 2ª Vara Criminal da capital fluminense.

Na decisão, o magistrado alega que as circunstâncias dos crimes praticados contra Henry, além da fraude processual e tentativa de coação no curso do processo, evidenciam a “gravidade concreta” da situação. Por isso, a manutenção da medida restritiva de liberdade do casal é necessária para garantir a ordem pública e assegurar o curso do processo criminal. O menino morreu na madrugada de 8 de março. De acordo com a polícia, mais de 20 lesões por ação violenta foram apontadas pelo Instituto Médico Legal (IML). Um mês após o assassinato, Monique, a mãe de Henry, e Jairinho, o namorado de Monique, foram presos e acusados do crime. Terra Brasil