O ataque a Nise Yamaguchi demonstra o nível de declínio das Instituições

“Eu senti vergonha de ser senador.”

A afirmação acima é de Marcos do Val, senador pelo Espírito Santo, e se encaixa perfeitamente com o sentimento perplexo do povo brasileiro, ante a imoral atuação da Instituição que deveria representar a Federação, o Senado Federal.

O show de horrores protagonizado contra a Dra. Nise Yamaguchi supera o padrão da idiotização. Homens que beijam a soberba, abraçam a falta de respeito e se revelam analfabetos diante do povo que lhes confiou o voto.

O médico e senador Otto Alencar, que o diga, deveria pedir desculpas a Bahia pelo vexame causado e ao Brasil por ser tão despreparado na função que exerce.

Poderia ter utilizado seu tempo na audiência para mostrar que, mesmo sendo oposição, o respeito é a base, ao invés disso, chocou a todos com total egoísmo, orgulho, complexo de superioridade e soberba. Conseguiu demonstrar como a representação da República está feia. Otto nem parecia ser médico.

Na tentativa de desqualificar a Dra. Nise usou perguntas primárias e não tinha noção das respostas técnicas. Passou vergonha.

Faço uso do texto utilizado pelo senador Marcos Rogério no Twitter: “Eu, no lugar da Dra Nise teria levantado e ido embora”.

Parece que os senadores se esqueceram que as audiências estão sendo gravadas e o Brasil reprova a conduta, mas…

E assim, pelo Senado Federal, se percebe o péssimo nível de representatividade.

O QUE ESPERAR DAS INSTITUIÇÕES?

Quando se trata do Supremo Tribunal Federal jamais os brasileiros imaginavam tamanha INSEGURANÇA JURÍDICA criada justamente pelos Guardiões da Constituição.

Simplesmente os brasileiros não confiam nos Ministros e eles, a cada dia demonstram-se orgulhosos em mostrar que não estão nem aí.

• O STF isentou Dias Toffoli da acusação do ex governador Sérgio Cabral ao anular a delação que acusava o ministro. Pois é, ‘inocentou’ com voto do próprio Toffoli.

• O STF ordenou contra o Ministério do Meio Ambiente sem ouvir a Procuradoria Geral da República.

• O STF mantém o Processo da Fake News sem respaldo constitucional.

E, tem muito mais, porém …

Precisa dizer que tudo acima viola precitos constitucionais?

Nem vou falar da Câmara dos Deputados, basta lembrar a turrada gestão do deputado Rodrigo Maia e da injustiça cometida ao deputado Daniel Silveira para surgir o questionamento: o que podemos esperar das instituições?

A MÍDIA QUE AJUDA O MAL

O site da Revista Veja divulgou quase que em tom de festa uma pesquisa do Instituto Paraná Pesquisas, afirmando que no Rio de Janeiro, berço político de Bolsonaro, a rejeição é alta e o governo reprovado. Nem precisa ir longe, basta ler os comentários embaixo da publicação para questionar a veracidade da pesquisa.

Será que essa mídia acredita que Bolsonaro ajuda com pão e mortadela a imensa multidão que vai às ruas a seu favor?

A grande mídia nem disfarça, usa a divina perseguição a tudo que vem do governo.

O PODER EXECUTIVO

Ante os olhos do Brasil, uma guerra travada na intenção de derrubar o Poder Executivo, justamente o lado que o povo está.

Infelizmente, as Instituições, através dos seus integrantes, em conjunto com a mídia demonstram que não se importam com o querer do povo e farão de tudo para atender um pequeno grupo e seus interesses pessoais.

É duro afirmar, mas os poderes estão em guerra contra o povo brasileiro.

Talvez o Poder Executivo ainda não tenha percebido a importância que o Brasil lhe dá e o temor que a nação possui em perder o verde e amarelo e sua bandeira se tornar vermelha. A insistência pelo voto impresso e auditável, exigida pelas pessoas de bem, não é a toa. É medo.

O Brasil teme alguma falcatrua em 2022.

AINDA EXISTE ESPERANÇA

Porém, não se pode esquecer que do lado da Luz também tem gente. Apesar dos pesares, a Câmara possuí deputados elogiáveis, bem como, o Senado Federal. Quem não agrada de jeito nenhum é a Corte.

Na mídia podemos contar com sensatos Alexandre’s, Lacombe’s e Coppola’s. Sim, Jornal da Cidade Online. Esse anexo de esperança que demonstra motivos de restauração em um Brasil que estava gravemente ferido mas, só percebemos recentemente.

Nossa Bandeira nunca será vermelha. Fonte jornal da cidade