Oxford/AstraZeneca passa CoronaVac e é a vacina mais usada no Brasil

vacina Oxford,AstraZeneca

A vacina da AstraZeneca/Oxford passou a CoronaVac e tornou-se o imunizante contra o novo coronavírus mais usado no Brasil desde o começo da campanha, em 17 de janeiro.

A troca na liderança apareceu em dados divulgados nesta sexta-feira (02) pelo Localiza SUS, plataforma do Ministério da Saúde sobre a vacinação.

A vacina foi desenvolvida pela farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca em parceria com a universidade inglesa Oxford. Ela já foi usada em 46% das aplicações. No Brasil é produzida pela Fiocruz.

A CoronaVac é a 2ª mais usada, representando 45% das aplicações. É seguida pelo imunizante da Pfizer (8%). A vacina da Johnson & Johnson equivale a 1%. O 1º lote desta chegou ao Brasil há 10 dias, em 22 de junho.

Diferente das outras que precisam de duas doses para garantir a eficácia, a vacina da Johnson & Johnson é administrada em só uma injeção. Dessa forma, seu percentual no total de aplicações tende a ser inferior ao das outras vacinas.

Até quinta-feira (1º), a CoronaVac ainda aparecia na liderança no Localiza SUS. Mas o imunizante vinha perdendo protagonismo desde abril, quando era 75% das injeções. Em maio, pela 1ª vez, a vacina deixou de ser a mais usada no mês –em todos os meses anteriores ela era a mais aplicada. Mas ainda era a principal quando considerado todos os dados do ano.

O imunizante chinês é uma aposta do governador de São Paulo, João Doria (PSDB) e foi desenvolvido pela biofarmacêutica chinesa Sinovac. A vacina é produzida no Brasil pelo Instituto Butantan, ligado ao governo paulista, com insumos chineses.

A matéria-prima esteve em falta em alguns momentos durante o 1º semestre, afetando a produção e diminuindo a entrega de doses.

Enquanto isso, o Brasil passou a receber outros imunizantes, como o da Pfizer e da Janssen, e aumentou a disponibilidade de doses da AstraZeneca, diminuindo a representatividade da CoronaVac no total de doses aplicadas. Terra Brasil