Peritos da PF se manifestam a favor da impressão dos votos ‘como elemento de auditoria’

Nesta quinta-feira (29) durante live com o presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, apresentou sugestões feitas pela Polícia Federal (PF) ao sistema eleitoral brasileiro.

De acordo com ele, um grupo de peritos da PF se manifestou a favor da impressão dos votos “como um elemento de auditoria não eletrônico”.

 

Torres ressaltou ainda que não seria apenas o voto impresso, mas uma forma de avaliação “independente para validar um pleito caso ele seja questionado”.

Na live, o ministro leu trechos das avaliações dos peritos da PF, feitas nos anos de 2016, 2018 e 2019. Torres afirmou que o Tribunal superior Eleitoral (TSE) convidou os agentes para participar da análise dos códigos eleitorais. Ele classificou os peritos envolvidos como “especialistas responsáveis pelas análises criminais e de crimes cibernéticos”.

Em 2016, eles defenderam um “sistema de votação auditável em todas as suas etapas”. Os peritos argumentaram que “apesar de ser possível auditar a totalização dos boletins de urna, não é possível auditar de forma satisfatória o processo entre a votação do eleitor e a contabilização do voto no boletim de urna”, pois “não há como fazer correspondência entre o eleitor específico e o seu voto”. Também consideraram que as “chaves de criptografia não são suficientemente bem protegidas”.TB