Profissionais protestam na porta da Secretaria Municipal de Educação após caso da professora que foi barrada por não estar com roupa “adequada”

 

Foto: Reprodução / Lucas Costa / NOVO

Servidores da Secretaria Municipal de Educação se reuniram na porta do prédio que abriga o órgão para se manifestarem contra as ações do chefe de Patrimônio, Josias, que impediu a professora Tânia Maruska Peterson de adentar o prédio na última quinta-feira (11) por julgar suas vestes “inadequadas”.

Os manifestantes carregam faixas com afirmações como: “Nosso vestir é identidade, inadequado é o machismo” e “Desvalorização do magistério é a marca do governo Álvaro Dias”.

 

SME vai apurar o caso

Após a repercussão do caso, a SME emitiu uma nota reafirmando o respeito e garantindo que todos os que procurarem os serviços do órgão serão atendidos.

NOTA OFICIAL:

Sobre o episódio denunciado pela professora Tânia Maruska Petersen, a Secretaria Municipal de Educação de Natal está apurando os fatos para tomar as devidas providências.
A SME-Natal lamenta o episódio e esclarece, que na ocasião a professora foi atendida na sequência em sua demanda pela diretora do Departamento de Administração Geral.

Na oportunidade, a SME-Natal reafirma o respeito as professoras e professores, como também, a qualquer cidadã ou cidadão que procura atendimento na sede da SME-Natal, no Centro Municipal de Referência em Educação Aluízio Alves (Cemure), ao anexo no qual funciona o Departamento de Atenção ao Educando (DAE) e nas 146 unidades de ensino distribuídas pelas quatro regiões administrativas da cidade.

Assessoria de Comunicação da SME-Natal

Com informações de Novo Notícias