Reino Unido alega exagero em números e suspende contagem diária de mortos por Covid-19

A man wearing a face mask walks past a traditional British red phone box near Parliament Square in central London, Wednesday, March 11, 2020. A British government minister Nadine Dorries, who is a junior Heath minster has tested positive for the coronavirus and is self isolating. For most people, the new coronavirus causes only mild or moderate symptoms, such as fever and cough. For some, especially older adults and people with existing health problems, it can cause more severe illness, including pneumonia. (AP Photo/Matt Dunham)

Foto: Matt Dunham/VEJA

O Reino Unido anunciou neste sábado (18) que irá interromper a sua atualização diária da contagem de mortos pelo novo coronavírus após o governo pedir uma revisão nos cálculos dos dados, alegando que os números podem estar exagerados.

Especialistas afirmam que a maneira com que a Public Health England (PHE) -agência do departamento de Saúde da Inglaterra- calcula seus números pode gerar distorções em relação a outros locais do Reino Unido.

Segundo o governo, atualmente a contagem de mortes diárias inclui todas as pessoas que morreram após testarem positivo, e que o método não leva em consideração o período de tempo entre as datas de testagem e morte.

“Houve alegações de que a falta desse critério pode distorcer o número atual de mortes diárias”, diz nota no site do governo britânico.

“Por esse motivo, estamos suspendendo a publicação do número diário, enquanto isso é resolvido”, continua.

Na sexta-feira (17), o ministro da Saúde britânico, Matt Hancock, havia pedido uma revisão na contagem após especialistas afirmarem que pessoas curadas do novo coronavírus poderiam ser incluídas na contagem de mortos pela doença mesmo que morressem três meses depois por outro motivo, como um ataque cardíaco, ou um atropelamento.

O Reino Unido é o país europeu mais atingido pelo coronavírus. Há mais de 93 mil casos confirmados no país e 45.233 mortos, de acordo com o site worldometers.com.

O governo britânico afirma que as comparações entre países são enganosas, já que a contagem é feita de maneira diferente em cada um deles.

Mudanças na metodologia de contagem ou divulgação de dados referentes ao novo coronavírus foram alvo de críticas nos Estados Unidos e Brasil, os dois países mais atingidos pelo vírus no mundo, e obrigaram os governos a recuarem.

Nos EUA, as informações consolidadas sobre leitos disponíveis em centros médicos, assim como os números de profissionais de saúde e de equipamentos de proteção disponíveis, desapareceram da única plataforma oficial que disponibilizava esses números no país, mas foram colocados de volta após pressão da sociedade.

O Brasil passou por problema similar ao mudar a metodologia e restringir a divulgação de dados sobre o impacto do novo coronavírus no país. O Ministério da Saúde deixou de informar o total de mortes e o total de casos confirmados da Covid-19 durante a pandemia e subitamente tirou do ar o portal com informações consolidadas.

No dia seguinte, a página voltou, mas com metodologia que levava em consideração apenas as mortes ocorridas e confirmadas nas 24 horas anteriores. O método resultava em número menor de mortes e deixava de fora óbitos de outros dias sem confirmação.

Após decisão do STF, o governo recuou e passou a divulgar os dados no antigo formato.

Reuters