Rogério Marinho pede que PF e CGU investiguem reportagem da Folha de São Paulo sobre compra de tratores

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, enviou, nesta 3ª feira (11.mai.2021), ofícios ao Ministério da Justiça e Segurança Pública e à CGU (Controladoria Geral da União) pedindo investigação sobre o suposto superfaturamento de tratores pela estatal Codevasf (Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba).

O caso foi tema de uma reportagem do jornal Estadão  publicada no domingo (9.mai.2021) que diz que o governo federal teria montado um “orçamento paralelo” para distribuir emendas do tipo RP9 (emendas de relator) a congressistas para aumentar sua base de apoio no Congresso.

Na mensagem enviada ao ministro Anderson Torres (Justiça e Segurança Pública), Marinho pede que a Polícia Federal tome providências para apurar o caso. Eis a íntegra (53 KB).

ONYX VAI PROCESSAR JORNALISTA

O ministro da Secretaria Geral da Presidência, Onyx Lorenzoni, fez críticas nesta 3ª feira (11.mai.2021) à reportagem do jornal O Estado de S. Paulo.

“Desmontando fake news dos parasitas saudosos dos governos corruptos e seus papagaios e lacradores mentirosos: desde 1º de janeiro de 2019 o Brasil é comandando por Jair Bolsonaro com zero casos de corrupção, e assim seguiremos, para desespero dessa gente”, disse no Twitter ao publicar um vídeo no qual fala no telefone sobre o tema.

Segundo o ministro, o jornalista que escreveu o texto, Breno Pires, será processado pela publicação de uma “fake news”.

“Primeiro, é a irresponsabilidade do Estadão e falta de vergonha na cara de quem escreveu a matéria. E vai tomar processo”, disse no vídeo.

“Essa pecha não vai colar e o Estadão vai pagar caro, na Justiça, onde vai ser feito justiça pela irresponsabilidade daqueles que muitas vezes falam e outros repercutem para tentar lacrar. Isso que o Estadão fez é criminoso. É um jornal sujo, criminoso”, falou em outro momento.

O ministro ainda falou sobre o que é o RP9 e disse que as emendas só foram distribuídas depois de o Congresso derrubar veto do presidente Jair Bolsonaro à medida.

“O RP9 é uma criação da Comissão do Orçamento em 2019 pelo Parlamento brasileiro, que outorga ao relator do Orçamento uma parcela do Orçamento brasileiro para livre destinação deste relator para atender aos interesses do Congresso Nacional. Isso é o RP9”, diz.

“O presidente Bolsonaro vetou 100% do RP9. O Congresso Nacional derrubou o veto. A partir daí, começou a execução do RP9. O RP9 no ano passado foi algo em torno de R$ 20 e tantos bilhões”, afirma.

O ministro também criticou “qualquer comparação” do caso com o Mensalão – um escândalo de compra de votos de congressistas que ameaçou derrubar o governo de Luiz Inácio Lula da Silva em 2005. “É muita cafajestice dizer isso. É falta de vergonha na cara”, disse.

Poder 360