Senador americano Bob Menendez confirma infiltração de Cuba na Espanha

Na passada semana, e na sequência das diversas informações vindas a público no Brasil, na Espanha e nos EUA (algumas das quais dadas em primeira mão aqui no Jornal da Cidade Online), o Senador Bob Menendez (Democrata, do estado de New Jersey) criticou o governo comunista-socialista da Espanha por se recusar a colaborar devidamente com os EUA na luta contra o narcotráfico proveniente da Venezuela com o alto patrocínio dos serviços de intellligence de Cuba.

O Senador Bob Menendez – um dos mais experientes, sábios e consagrados políticos norte-americanos, cuja família conhece bem as atrocidades e a violência do regime comunista cubano – afirmou, sem qualquer tergiversação, que Espanha certamente não gostaria que os EUA fizessem o mesmo que o governo socialista-comunista espanhol está fazendo aos EUA no presente: em termos claros, a proteção que o Governo comunista-socialista de Pedro Sanchez/Jose Luis Zapatero/ Pablo Iglesias está concedendo ao narcotráfico levado a cabo pelo regime de Nicolás Maduro.

A intervenção do Senador Menendez é claramente a demonstração inequívoca por parte deste político (tão importante) norte-americano do reconhecimento de toda a Nação norte-americana ao exemplar trabalho da DEA (coordenada pela Special Agent Wendy Woolcock, em New York) na operação que culminou na detenção de Hugo Carvajal “Lo Pollo”.

Por outro lado, o Senador Bob Menendez está insurgindo-se contra a passividade que as autoridades espanholas (por influência da extrema-esquerda do Podemos, partido de Pablo Iglesias, aliado do PT de Lula da Silva) têm revelado perante a crescente infiltração dos serviços de intel de Cuba e do Irã nas estruturas de segurança do Reino da Espanha.

Subliminarmente, o Senador Bob Menendez deixou o alerta, em pleno Senado, no debate de confirmação da Embaixadora dos EUA nomeada pelo Presidente Biden, que a Espanha tem deveres como Estado aliado dos EUA e membro da Aliança Atlântica (NATO): mais tarde ou mais cedo, o Governo da Espanha (mesmo que comunista-socialista) vai ter que optar entre manter a sua aliança com o mundo livre e democrático – ou juntar-se aos narco-regimes sob tutela de Cuba, com o suporte financeiro (e progressivamente militar) da China e do Irã.

A grandeza da Nação espanhola não merece o embaraço internacional que o seu atual Governo lhe está causando, com sucessivas manobras dilatórias para impedir a extradição de Hugo Carvajal “Lo Pollo” para ser julgado no US Court Southern District of New York , como impõe a Justiça e a decência político-diplomática.

O Senador Bob Menendez demonstrou, mais uma vez, a sua enorme coragem e compromisso inabalável com a liberdade e a democracia contra os regimes criminosos de Havana e Caracas: o compromisso do Senador Menendez – tal como a da maioria dos Senadores e Representantes dos EUA – é, antes de mais, com a segurança nacional dos EUA e do Mundo Livre.

O resto é barulho – as declarações do Senador Bob Menendez confirmam as (e vêm na sequência das) informações que aqui temos avançado sobre a ofensiva de Cuba e Venezuela na Península Ibérica e no Brasil (desenvolvidas, entretanto, por diversos periodistas em diferentes latitudes e longitudes).

A história de Hugo Carvajal “Lo Pollo” está apenas começando – e, by the way, muita gente, por vários países, vai testemunhar first hand que (também) isto não é uma fake news, como tanto gostam de gritar…

Acresce que o Senador Bob Menendez tocou no ponto certo: Espanha, e os demais países europeus, precisam adequar os seus sistemas de segurança e judiciários às novas realidades de atuação dos regimes totalitários e criminosos, como é o caso de Cuba.

Exige-se máxima diligência, prudência e que os sistemas judiciários sejam responsivos aos valores políticos estruturantes da vida comunitária; mas que não sejam politizados, sujeitos às vontades dos dirigentes políticos compromissado por regimes totalitários que desprezam tal património axiológico. Pois bem, em Portugal, pelo que nos dizem, parece que andam muito preocupados inventando estórias sobre fake news (sobre matérias de que nada sabem e de que, para já, pouco podem saber) – ao invés de resolverem os problemas atuais que mais interessam aos portugueses.

Um exemplo que está presente na agenda midiática e que, de resto, confirma os alertas do Senador Bob Menendez sobre alguma complacência europeia com esquemas de lavagem de dinheiro e de fuga ao sistema de justiça: o banqueiro João Rendeiro, português, antigo presidente do BPP (Banco Privado Português), condenado por burla e falsificação, resolveu sair do país para não cumprir a sentença judicial. Neste momento, João Rendeiro encontra-se foragido, sem que as autoridades conheçam o seu paradeiro.

Onde se encontra? Nós apuramos que João Rendeiro logrou sair de Portugal para a Costa Rica, onde tinha já devidamente protegida uma parte do seu patrimônio financeiro contando com a ajuda de um banco com ligações na Venezuela.

O banqueiro português recorreu a um jato privado para se evadir de Portugal para a Costa Rica – posteriormente, João Rendeiro viajou do país da América Central para os Emirados Árabes Unidos.

Neste momento, João Rendeiro encontra-se vivendo em Dubai – uma escolha estratégica ,pois vivendo em Dubai, o antigo presidente do Banco Privado Português (BPP) sabe que está protegido contra uma extradição para Portugal.

Muito facilmente, resolvemos aqui o mistério: João Rendeiro está em Dubai – e não, como tem sido divulgado por algumas mídias portuguesas, em Belize (o que poderíamos qualificar como fake news, como tanto gostam, sem qualquer sustentabilidade).

Por último, uma nota positiva, que irradia esperança e paz. Shalom: referimo-nos à comemoração do primeiro aniversário dos Abraham Acordos, os Acordos de Shalom (de Paz) entre Israel e alguns dos seus vizinhos árabes (como os EAU, a Arábia Saudita, o Bahrein e o Kuwait).

O mundo está melhor graças à diplomacia e à visão estratégica dos EUA, sob a liderança do Presidente Donald J. Trump.

Ivanka Trump e Jared Kushner (que tiveram papel essencial na celebração dos Acordos) visitam esta semana a Terra Santa de Israel, reunindo-se com vários políticos de Israel para assinalar a data histórica.

Por coincidência, no mesmo dia em que Angela Merkel visitou Israel (e a sua capital Eterna, Yerushalayim, Jerusalem), Mike Pompeo (o Secretário de Estado do Presidente Trump) chegou a Israel para enviar uma mensagem fortíssima ao mundo: Judeia, Samaria e os Monte Golã pertencem ao território, eterno e histórico, de Israel.

Angela Merkel , que ia repetir a mesma ladainha de sempre da Europa (ou seja, da Alemanha), foi totalmente ofuscada. Já agora, podemos também avançar que caso o Presidente Donald Trump decida não avançar para uma nova corrida à White House em 2024, o muito bem sucedido ex-Presidente dos EUA irá apoiar Mike Pompeo como candidato republicano para desafiar o candidato democrata (que muito provavelmente já não será o Presidente Biden).

Finalmente, o nosso elogio é extensível ao Secretário Blinken (o Secretário de Estado dos EUA em exercício de funções) e ao Presidente Biden por assinalarem oficialmente o feito da celebração dos Abraham Accords como uma grandioso contribuição dos EUA para a Paz mundial, recebendo os Ministros das Relações Exteriores de Israel e dos EAU. E delineando passos a seguir para o futuro.

O Presidente Biden merece todo o crédito por colocar os interesses dos EUA acima de pressões partidárias mais radicais – o que demonstra que, ao contrário do que a mídia mostra, os EUA não estão fatalmente divididos.

Ao invés, no essencial, o povo norte-americano (e os seus eleitos) converge, está forte e sabe muito bem o que quer: uma das realidades inegociáveis é a Aliança e Amizade fraternas entre os EUA e Israel.

Esta é também uma excelente notícia para o Brasil. E isto é uma so true news! Jornal da cidade