Sindicato acusa Governo do RN de desconto ilegal; servidora teve R$ 582 retirados

Logo no dia do pagamento dos seus salários, servidores tiveram uma desagradável surpresa na última quinta-feira (15): um desconto ilegal – segundo o sindicato – de contribuição do IPERN, apesar de receberem abaixo de R$ 3.500,00, faixa isenta de pagar a previdência.

Vale lembrar que em março vários servidores já haviam passado pela mesma situação, e agora, quatro meses depois, o dinheiro ainda não foi devolvido para seus contracheques.

60f04a858e320 Sindicato acusa Governo do RN de desconto ilegal; servidora teve R$ 582 retirados

 

60f04a858ea6a Sindicato acusa Governo do RN de desconto ilegal; servidora teve R$ 582 retirados

 

60f04a858f039 Sindicato acusa Governo do RN de desconto ilegal; servidora teve R$ 582 retirados

Na manhã da última quinta-feira (15), diversos servidores entraram em contato com o Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público da Administração Direta do RN (SINSP) reclamando dos descontos do IPERN, apesar da isenção. Os valores são altos e variam entre R$ 167,15 e R$ 582,25, para uma servidora que recebe apenas um salário mínimo.

Maria José Matias é da cidade de São Francisco do Oeste, está aposentada desde janeiro, e ficou sem chão após olhar seu contracheque: “Recebi hoje e já veio descontando 582,25. Não sei como vou passar o mês porque tenho minhas contas pra pagar: água, luz, telefone, agora não tenho como… E a comida? É o dinheiro de uma feira, da compra do mês. Já ganho tão pouco”, lamentou a servidora.

Veja a comparação dos meses de julho e junho no contracheque da servidora:

 

60f04a858f64f Sindicato acusa Governo do RN de desconto ilegal; servidora teve R$ 582 retirados

 

60f04a858fb19 Sindicato acusa Governo do RN de desconto ilegal; servidora teve R$ 582 retirados

SINSP tem reunião com a Secretaria de Administração

A presidenta do SINSP, Janeayre Souto, foi até a SEAD para cobrar explicações e a devolução do dinheiro para os servidores. Ela se reuniu com o subsecretário de Recursos Humanos, José Ediran Teixeira e afirmou que a ação é ilgeal, pedindo a imediata resolução do caso.

“Em março o governo já havia metido a mão nos contracheques de servidores GNM e GNO, e agora repete a dose. O governo vem retirar, confiscar e maltratar os servidores do Estado, confiscando parte dos seus salários pra fazer a gestão. Nós apelamos para a professora Fátima Bezerra respeitar o serviço e os servidores públicos. Penalizar quem ganha pouco e não cumprir a Lei do IPERN, isso é um absurdo. Nós exigimos que o governo reponha imediatamente esse recurso”, afirmou a presidenta do SINSP.

O sindicato orienta a quem tenha tido a cobrança indevida no seu salário, apesar de ser isento da previdência, entre em contato e envie os contracheques de julho, junho e maio. Os telefones para contato são: (84) 3201.4130 / 98840-1607 ou também pelo email: [email protected]

Fonte: Portal Grande Ponto