Sindicato é contra prioridade a professores na vacinação e deve ir à Justiça

Vacina Oxford/AstraZeneca para imunizacao em profissionais de saude do Hospital de Reabilitação do Paraná que tem leitos exclusivo de combate à Covid-19. Curitiba, 27/01/2021. Foto: Geraldo Bubniak/AEN

O SINSP é totalmente contra e vai lutar para que o governo vacine todos os servidores na educação sem dar prioridade a nenhuma categoria, pois é impossível abrir as escolas com apenas professores vacinados. Os servidores administrativos, merendeiras, vigilantes e ASG, como também os trabalhadores terceirizados também correm risco e devem ser vacinados imediatamente, respeitando a ordem de idade e comorbidades inicialmente.

“É injustificável e inadmissível que a vacinação comece exclusivamente por uma categoria, pois todos vão estar juntos nas escolas, trabalhando com os alunos e recebendo os seus familiares. O risco é para todos”, diz o SINSP em nota divulgada em seu site oficial.

No plano do governo, a ideia é iniciar a vacinação no dia 24/05, com o imunizante Oxford/Astrazeneca, e sabe se lá quando as vacinas seriam destinados aos outros trabalhadores na educação. Nós não vamos aceitar que as escolas abram até que todos os que atuam nas escolas estejam imunes de contrair a covid-19.

Lembrando que na saúde todos os trabalhadores foram vacinados ao mesmo tempo. Não houve descriminação,: ASG, maqueiro, pessoal do administrativos, técnicos, enfermeiros e médicos, todos que trabalham nas unidades de saúde foram vacinados simultaneamente. A educação tem de seguir a mesma linha!

Caso o governo não volte atrás e vacine todos os trabalhadores que atuam na educação, o SINSP vai entrar na Justiça para alterar o plano de imunização da educação.

Fonte: Portal Grande Ponto