TSE e mídias sociais conversam sobre bloqueio financeiro de canais conservadores

DemonstraÁ¿o do uso da urna eletrÙnica para as eleiÁ¿es de 2006.

Decisão atende a pedido da Polícia Federal, que investiga a organização de supostos ataques ao sistema eleitoral

O corregedor-geral da Justiça Eleitoral, ministro Luis Felipe Salomão, e a delegada Denisse Dias Ribeiro, da Polícia Federal, reuniram-se nesta quinta-feira, 19, com representantes de mídias sociais para discutir formas de viabilizar o bloqueio de verbas de canais conservadores, investigados por suposta disseminação de notícias falsas sobre as eleições no Brasil.

A suspensão do repasse de dinheiro oriundo de monetização foi determinada na última segunda-feira, 16. A decisão atende a pedido da Polícia Federal, que investiga a organização e o financiamento de supostos ataques ao sistema eleitoral.

Segundo o ministro Salomão, a reunião desta quinta-feira teve como objetivo estabelecer um diálogo de cooperação e tirar dúvidas das plataformas digitais. “Tenho expectativa de que formemos, aqui, uma conscientização da relevância desse momento, no qual a colaboração do setor público e privado nesse diálogo é fundamental para se chegar a um bom termo em prol da sociedade, e para que a eleição de 2022 transcorra dentro da normalidade”, disse

Bloqueio de verbas

De acordo com a decisão do corregedor-geral da Justiça Eleitoral, os valores que seriam repassados pelas plataformas a esses canais ficarão indisponíveis e serão depositados em uma conta judicial até o fim das investigações. Por ora, os canais seguem no ar. Terra Brasil