VÍDEO) – GROSSERIA E PARCIALIDADE: Renan Calheiros se recusa a fazer perguntas a médicos defensores do tratamento precoce e abandona sessão da CPI da Covid

O relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB-AL), se recusou a fazer perguntas aos médicos Ricardo Ariel Zimerman e Francisco Eduardo Cardoso Alves, ouvidos no plenário nesta sexta-feira (18). Em seguida, o parlamentar escolheu se retirar da sessão. Os profissionais defendem a eficácia do “tratamento precoce” no combate ao novo coronavírus.

Após o pronunciamento dos convidados, quando habitualmente o político iniciaria os questionamentos, Calheiros anunciou que, pela primeira vez, não indagaria os depoentes da comissão.

“Eu me recuso a fazer hoje, mesmo como relator dessa comissão parlamentar de inquérito, qualquer pergunta aos depoentes. Com todo respeito que lhes tenho. Não dá para continuarmos nessa situação, a CPI tem o papel de dissuadir práticas criminosas, como essa do presidente da República”, protestou.

Um pouco antes, o senador citou que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a defender a imunização de rebanho nas redes sociais.

“Os brasileiros estão morrendo, sabemos que ele tem pulsão por morte, mas ele precisa respeitar a memória de todos. Essa CPI se instalou para investigar esses fatos que não estavam sendo investigados. O presidente da república continua fazer o que sempre fez, utilizando as mídias sociais para induzir os brasileiros à morte, com mentiras, com falsidades”, afirmou.

Calheiros se referiu à transmissão ao vivo, feita na noite desta quinta-feira (17), em que gestor federal disse estar “vacinado entre aspas”, pois “todos que contraíram o vírus estão vacinados, até mais eficaz que a vacina”. Nas redes, o relator já havia criticado a postura do presidente, e na sessão a classificou como criminosa.

A recusa do parlamentar causou revolta nos senadores da base governista. Luis Carlos Heinze (PP-RS) relembrou que especialistas contrários foram inqueridos pela comissão e tachou a atitude do colega como “parcial”.

“Não quero lhe obrigar. Fazer dois pesos e duas medidas, quem questionar a quem o senhor quiser. Aqui tem cientistas, aqui tem médicos”, defendeu o político.

Heinze se referiu os depoimentos dos cientistas Os cientistas Natalia Pasternak e Claudio Maierovitch, ouvidos pela CPI na semana passada.

Em seguida, o senador Marcos Rogério (DEM-RO) solicitou ao presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), designasse outro parlamentar para exercer o papel de relator, mas a solicitação foi negada.

“O senador Renan não quis fazer perguntas, ninguém vai fazer por ele não. Não posso obrigar ninguém a fazer perguntas. Eles estão aqui como convidados e não como testemunhas”, explicou Aziz.

Diário do Nordeste